Tirando a Primeira Habilitação #1

011ff6508b023cca38340619a2b88224

Você já fez 18 anos e seu grande sonho é tirar carteira de motorista? Eu tenho 22 e estou tirando agora! É uma experiência que pode ser diferente pra mim do que para pessoas de outros estados e até dentro da minha própria cidade, as autoescolas tem alguns comportamentos distintos, mas é uma experiência legal para passar para quem ainda não tirou carteira e pretende tirar um dia.

Bom, vou contar como foi até agora, lembrando novamente, que algumas coisas podem ser diferentes no seu estado e cidade!

Primeiro, você deve escolher a categoria da sua habilitação, como é a primeira, você pode escolher entre três tipos: somente para pilotar veículos automotores de 2 ou 3 rodas, com ou sem carro lateral, ou seja: motocicletas, motonetas, ciclomotores e triciclos. A categoria B, onde o condutor é habilitado a conduzir veículos automotores com peso de até 3.500 Kg e 8 lugares, ou seja, basicamente carros comuns de 5 lugares até kombis. Ou ainda você pode sair habilitado na A e B, o que permite dirigir qualquer veículo das duas categorias.

A partir das próximas, ou seja C, D e E você precisa já ter habilitação na categoria B por um determinado tempo. Ainda existe uma Autorização para Conduzir Ciclomotores (ACC), que não é considerada uma categoria, e permite conduzir ciclomotores de até 50 cilindradas. Você pode conferir essas categorias no site do Detran com maiores detalhes, clicando aqui.

Então, decidido a categoria de habilitação, você deve escolher uma autoescola, essa escolha é muito importante, pois elas tem diferentes preços e reputações, então, é legal você pegar o telefone de várias, ligar e fazer orçamentos para ver o que cabe no seu bolso. Os preços não costumam variar muito, mas variam, por exemplo, tem uma autoescola aqui na minha cidade que para tirar carteira B eles estavam cobrando à vista R$1.750,00 e em 6x o valor subia para R$1.950,00 e outra, também carteira B à vista R$1.950,00, então são coisas que você deve ficar atento e realmente pesquisar.

Depois que você fez os orçamentos, é importantíssimo fazer uma pesquisa pela reputação da escola, pois assim como qualquer outro serviço prestado por uma empresa, existem grandes diferenças entre elas. Os instrutores, carros e horários de aula de cada autoescola variam, então é bom você conversar com amigos e parentes e mesmo procurar pela escola na internet, para ver as recomendações do lugar, além de saber se aquela autoescola é a ideal para encaixar nos seus horários. E claro, inclusive na mesma autoescola dependendo do período de tempo e instrutor que você pegar, pode ter diferentes experiências de outras pessoas.

Depois de tudo isso, chega o dia de você dar entrada na autoescola e a partir daí você tem 1 ano para finalizar seu processo, ou seja, passar pelos exames médicos e psicológicos, pelas aulas e provas teóricas e práticas. Dependendo da categoria que você pretende tirar são quantidades diferentes de horas/aula obrigatórias, então se informe antes de dar entrada e se programe para conseguir tirar a carteira no prazo. É importante também, ter um dinheiro extra guardado, pois cada etapa que você reprova e tem que refazer você precisa pagar.

Esse é o primeiro de uma série de posts contando a minha experiência tirando a primeira habilitação, se você tiver alguma dúvida deixe nos comentários que tentarei responder, ou procure no site no Detran ou do Denatran ou ainda o Ciretran da sua cidade para esclarecer todas as suas dúvidas. Se você tiver sugestões para os próximos posts deixe aqui nos comentários que com certeza tentarei trazer para vocês! Não se esqueça de seguir o blog no Instagram para sempre ficar por dentro das novidades!

bjs

Resenha: Um Oceano no Fim do Caminho

Hoje venho trazer a resenha do primeiro livro que leio de Neil Gaiman, um livro fantasioso, sombrio que nos leva a entender como fatos da infância podem nos marcar e ajudar a construir nosso futuro.

O Oceano no Fim do CaminhoSinopse

Foi há quarenta anos, agora ele lembra muito bem. Quando os tempos ficaram difíceis e os pais decidiram que o quarto do alto da escada, que antes era dele, passaria a receber hóspedes. Ele só tinha sete anos. Um dos inquilinos foi o minerador de opala. O homem que certa noite roubou o carro da família e, ali dentro, parado num caminho deserto, cometeu suicídio. O homem cujo ato desesperado despertou forças que jamais deveriam ter sido perturbadas. Forças que não são deste mundo. Um horror primordial, sem controle, que foi libertado e passou a tomar os sonhos e a realidade das pessoas, inclusive os do menino. Ele sabia que os adultos não conseguiriam — e não deveriam — compreender os eventos que se desdobravam tão perto de casa. Sua família, ingenuamente envolvida e usada na batalha, estava em perigo, e somente o menino era capaz de perceber isso. A responsabilidade inescapável de defender seus entes queridos fez com que ele recorresse à única salvação possível: as três mulheres que moravam no fim do caminho. O lugar onde ele viu seu primeiro oceano.

Nós conhecemos o protagonista da história – cujo nome não é citado no decorrer do livro, fato que não influencia em nada – logo de início, quando volta a sua cidade natal para um enterro e decide visitar a fazenda que fica no final da estrada, a moradia das mulheres Hempstock, onde passou parte de sua infância e conheceu o Oceano. A partir desse ponto, ele começa a narrar suas memórias de um passado distante, quando ele tinha 7 anos de idade e era uma criança tímida que amava ler e explorar.

Com uma crise financeira, seus pai tiveram de alugar o seu quarto para outros moradores, e quando um deles, o minerador de opala, se suicida em frente da fazenda Hempstock, é quando as três gerações de Hempstock entram em cena e a mais nova, Lettie, uma garota sardenta de 11 anos, vira sua amiga. Esse suicídio muda tudo, pois um ser de outra dimensão acaba influenciando na terra e aí a vida de nenhum deles é mais a mesma.

A história é lúdica, contada por lembranças de mais de 30 anos atrás, vista pelos olhos de um menino que amava fantasia e usava seus livros como refúgio, por isso não temos a certeza do que pode ou não ser real. Talvez as memórias como ele se lembra, com monstros e campos de gatos, sejam apenas formas que a sua cabeça infantil encontrou para cobrir ou tentar explicar os acontecimentos reais pelos quais ele e sua família passavam, como traição no casamento, perca de um animal e uma certa rejeição por parte dos pais. Ou talvez, realmente tudo fosse verdade, e exista um outro mundo, outra dimensão, e que um lago nos fundos de uma fazenda possa vir a ser um oceano. Um oceano que cabe dentro de um balde.

Devo admitir que quando li a sinopse eu esperava algo bem diferente, talvez por não ter outro livro do Gaiman antes, mas esperava um livro bem mais obscuro e não fantasioso como ele realmente é, então se você que ler, tenha isso em mente para não se decepcionar. Logo de início, quando percebi essa forma de conduzir a história desanimei e parei de ler por algum tempo, mas após algumas páginas e capítulos fui me apegando aos personagens e entendendo o ponto da história e acabei gostando bastante.

Achei incrível a forma com que o autor consegue pegar assuntos adultos, pesados e complexos e dar um tom mais leve, como se realmente estivéssemos presenciando a situação por meio de lentes infantis, que não compreendem toda a realidade da mesma forma que nós.

Nota: 7,5/10

O livro tem as páginas amareladas, e sua capa é bonita e se liga à história, ela também é resistente, apesar de não ser capa dura. E você, já leu esse ou outros livros do Gaiman ou tem vontade? O que achou? Conta pra mim, e não esquece de seguir lá no Insta pra sempre ficar por dentro das novidades!

bjs

Esquadrão Suicida

Finalmente conseguir ir assistir ao polêmico Esquadrão Suicida, filme da Warner Bros em parceria com a DC e que dividiu opiniões de críticos, fãs dos quadrinhos e do público em geral.

Sinopse

Após a aparição do Superman, a agente Amanda Waller (Viola Davis) está convencida que o governo americano precisa ter sua própria equipe de metahumanos, para combater possíveis ameaças. Para tanto ela cria o projeto do Esquadrão Suicida, onde perigosos vilões encarcerados são obrigados a executar missões a mando do governo. Caso sejam bem-sucedidos, eles têm suas penas abreviadas em 10 anos. Caso contrário, simplesmente morrem. O grupo é autorizado pelo governo após o súbito ataque de Magia (Cara Delevingne), uma das “convocadas” por Amanda, que se volta contra ela. Desta forma, Pistoleiro (Will Smith), Arlequina (Margot Robbie), Capitão Bumerangue (Jai Courtney), Crocodilo (Adewale Akinnuoye-Agbaje), El Diablo (Jay Hernandez) e Amarra (Adam Beach) são convocados para a missão. Paralelamente, o Coringa (Jared Leto) aproveita a oportunidade para tentar resgatar o amor de sua vida: Arlequina.

Admito que já fui com assistir com as expectativas bem baixas depois de ter lido duras críticas ao filme, talvez por isso, ele me surpreendeu e não achei tão ruim quanto estavam dizendo por aí. Tem grandes falhas e cenas rápidas e desnecessárias sim, mas isso não o leva a uma categoria de filme ruim, e devo dizer que consegue ser melhor que Batman vs Superman (leia a review aqui) e muuuuito melhor que o filme solo do Superman, então, posso dizer que estão no caminho certo, basta acertar alguns ponteiros com os atores e direção do filme.

Bom, logo de início somos apresentados aos principais vilões do Esquadrão, com uma rápida biografia, que parece um pequeno vídeo clipe de cada um, mostrando cenas de seus crimes e respectivas capturas, sempre com uma ótima música de fundo.

Aliás, a trilha sonora é algo que precisa ser realçado, pois é muito boa, uma ótima pegada de rock que combina muito bem com a ideia de um filme protagonizado por vilões e onde esses devem tentar salvar o mundo. As cenas tinham um tom pesado, cenários escuros, porém as cores fortes como rosa neon e verde limão foram amplamente utilizadas das mais diversas maneiras, o que me lembrou realmente o universo dos quadrinhos.

Além disso somos apresentados a Amanda Waller (Violla Davis) uma autoridade de alto escalão do governo dos Estados Unidos que é a responsável por montar esse time de vilões. E ao soldado Rick Flag (Joel Kinnaman) que fora inicialmente designado para vigiar a doutora June Moone (Cara Delevingne), uma arqueóloga que durante uma de suas expedições, é possuída pelo espirito de uma bruxa antiga, conhecida como Magia, mas acaba por se apaixonar por ela, e por isso ele faz tudo que Waller ordena, inclusive comandar o Esquadrão. Para isso ele tem a ajuda da Katana (Karen Fukuhara), que apesar de ser uma vilã “do bem” faz parte do time dos mocinhos, e é sua responsabilidade proteger Flag, o que foi uma surpresa para mim.

Sobre os vilões, o Pistoleiro (Will Smith), tem um papel de grande destaque, já que a sua função, é fazer o que o tenente provavelmente não vai conseguir que é matar Magia, e eles acabam liderando em conjunto o time. Vi muita gente falando que Smith quis roubar a cena, teve estrelismo e que ele queria mostrar ser o ator principal, mas o fato não é ele querer isso e sim o seu personagem ser muito reconhecido e um dos principais, se fosse outro ator, ia ser o mesmo personagem e ele teria o mesmo destaque.

Já conseguíamos ver pelos trailers que Arlequina (Margot Robbie) teria um papel grande e seria uma das personagens que mais apareceriam, e eu gostei bastante da atuação da atriz e da loucura estampada em cada gesto e feição. O que deixou a desejar foi a sua relação com o Coringa (Jared Leto), personagem que, apesar de aparecer pouco, eu não gostei, é um Coringa muito bem caracterizado fisicamente, mas não mostra a alma do personagem, a sua loucura é diferente, estranha. Ele demonstra amar a palhacinha, quando todos nós sabemos muito bem que ele não é capaz de amar ninguém, e o pior é que o filme tenta passar que esse “amor” justifica a brutalidade e o abuso que ele pratica com a namorada, ou seja, péssima jogada.

Dos demais vilões, El Diablo (Jay Hernandez), o Crocodilo (Adewale Akinnuoye-Agbaje) e o Capitão Bumerangue (Jai Courtney) foram uma grata surpresa, apesar de terem pouco destaque e acabarem nas sombras do Pistoleiro e da Arlequina, mas principalmente El Diablo tem uma história bacana e que consegue ser bem apresentada, mostrando a profundidade do personagem. Já o Amarra (Adam Beach) foi completamente desnecessário.

O enredo do filme é OK, não é super elaborado e complexo, mas também não deixa falhas de continuidade e raciocínio. É um filme rápido, com muitas cenas de ação e se você se desviar muito da tela pode perder uma transição e acabar não entendendo bem. É basicamente um vilão “maior” que quer conquistar e destruir o mundo e os outros tentando impedi-lo, ou seja, um filme de ação como muitos outros onde não há um desenvolvimento de história profundo.

O filme é bom, mas poderia ser melhor, o que me deixa satisfeita é ver que a DC está evoluindo cada vez mais nesse universo cinematográfico, basta acertar os ponteiros. Eu estou esperando uma Mulher Maravilha ainda mais incrível no filme solo do que no Origem da Justiça e que o filme da Liga tenha uma evolução muito maior já que teremos vários heróis de peso juntos.

Nota: 7,5/10

Vale muito a pena assistir, o filme cumpre o papel de entretenimento, é um filme visual e sonoramente bonito além de contar com ótimos atores e personagens.  Você já assistiu? O que achou? Conta aqui nos comentários! E não esqueça de seguir no Instagram para sempre ficar por dentro das novidades!

bjs

Resenha: Harry Potter and the Cursed Child

Talvez o livro mais esperado dos últimos tempos pelos Potterheads ao redor do mundo, Harry Potter and the Cursed Child é um livro que mostra o roteiro usado nos ensaios da peça homônima que está sendo apresentada na Inglaterra. Ele foi escrito em parte pela J.K. Rowling e também, como coautores Jack Thorne e John Tiffany. A resenha tem sua parte final sinalizada como Spoiler, logo, se você não quiser saber sobre a história não vá até lá, e além disso, entendam que eu amo o universo de Harry Potter e não consigo ser imparcial haha.

HP8Sinopse

The Eighth Story. Nineteen Years Later.

Based on an original new story by J.K. Rowling, Jack Thorne and John Tiffany, a new play by Jack Thorne, Harry Potter and the Cursed Child is the eighth story in the Harry Potter series and the first official Harry Potter story to be presented on stage. The play will receive its world premiere in London’s West End on July 30, 2016.

It was always difficult being Harry Potter and it isn’t much easier now that he is an overworked employee of the Ministry of Magic, a husband and father of three school-age children.

While Harry grapples with a past that refuses to stay where it belongs, his youngest son Albus must struggle with the weight of a family legacy he never wanted. As past and present fuse ominously, both father and son learn the uncomfortable truth: sometimes, darkness comes from unexpected places.


Foi difícil saber como começar a escrever essa resenha, primeiro pelo fato de amar Harry Potter, e sempre ter esperado uma oitava história para poder entrar nesse mundo que tanto amo novamente. Segundo, por ter gostado muito do livro, e antes de  conseguir escrever e falar para vocês, eu precisava digeri-lo e refletir sobre ele. A história é fantástica, e eu não sei como eles conseguiram encenar tudo aquilo em um palco.

Como é um roteiro, ele não tem o mesmo formato de um livro, não é uma narrativa. Então no início, pode ser difícil entender e acompanhar os fatos, o que torna a leitura trabalhosa. Eu li a versão em inglês, e o meu inglês é médio, senti um pouco de dificuldade, mas nada que atrapalhasse o entendimento, e onde eu realmente não conseguia entender, os tradutores online foram muito úteis. No começo tudo acontece rápido e as cenas mudam com uma frase,  o que me deixou um pouco frustrada e quase me fez desistir, por isso eu falo para vocês, persistam e leiam ele todo.

Bom, sobre a história, ela começa praticamente onde o sétimo livro acaba, com Alvo Severo, o filho do meio de Harry e Gina, indo para Hogwarts junto com a prima Rose, filha de Hermione e Rony. Já no Expresso Hogwarts eles conhecem Scorpius Malfoy, filho de Draco e Astoria e é aí que a história vai tomando forma. O livro tem histórias em paralelo, às vezes mostrando Alvo e em outras Harry, não vou falar sobre os acontecimentos do livro aqui, se quiser saber mais, leia a parte com Spoilers no final.

Algumas situações parecem um pouco forçadas, e talvez por isso eles receberam tantas críticas negativas, mas não podemos esquecer que J.K. estava na produção e nada teria sido feito sem o aval da mesma, logo, sim, é a história do que aconteceu com Harry após tantos anos.

A capa do livro na versão inglesa é dura e muito bonita, com apliques em tecido. Os capítulos são na verdade, divididos em atos e temos 4 grandes divisões durante as pouco mais de 300 páginas.

Pra quem é fã da história vale muito apena a leitura, eu achei mágico poder voltar para Hogwarts e ver tudo aquilo acontecendo, tanto que li o livro todo em um dia, mesmo com dificuldades no inglês. Eu achei maravilhoso e nada do que ninguém diga vai me fazer mudar de opinião, é realmente algo de fã, um amor muito grande pelo universo de Harry Potter, então, não consigo ser parcial, haha.

Nota: 20/10 (hehe)

Você já leu o livro? Acompanhou os sete livros originais? O que espera ou esperava de Cursed Child? Me contem nos comentários! E se você está esperando a versão em português, a Editora Rocco já lançou no seu site a data de lançamento e pré-venda da tradução dessa versão do livro. Vale lembrar que depois das apresentações da peça, será lançada a versão definitiva de colecionador, já que os atores podem acabar mudando algumas falas nos palcos, mas não acredito que serão muitas alterações. Me sigam lá no Instagram para sempre ficar por dentro das novidades e conversarmos por lá também!

bjs



 

———————————————————Início dos Spoilers———————————————————–

Sobre as crianças, Alvo acaba indo para a Sonserina e ficando amigo de Scorpius. Alvo é um menino tímido, que vive em seu próprio mundo e odeia ser visto como o Filho de Harry Potter, já que é uma pressão muito grande pois as pessoas acham que ele deve ser bom em tudo. Na realidade me lembrou muito a infância do próprio Harry, onde todos esperavam muito dele por ser quem era.

Uma coisa que me frustou um pouco no início, foi a relação pai e filho entre Harry e Alvo, que é bastante complicada. Mas ele é um adolescente, e quem nesse fase da vida se dava totalmente bem com os pais? Acaba sendo uma coisa normal quando nos colocamos no lugar do personagem e não temos os nossos olhos que gostam e acompanharam Harry por sete anos da sua vida e conhecemos toda a sua história.

Sobre Scorpius, ele é bem diferente do pai na mesma idade. É um menino inteligente, tímido, muito querido, sincero, adorável e principalmente respeita as diferenças, além de ter uma quedinha pela Rose, filha da Hermione. Ele realmente leva a sério a amizade entre ele e Alvo, sendo na maior parte do tempo ouvinte das lamentações do amigo e ajudando e acompanhando-o sempre que pode. Ele é recluso e os outros estudantes não gostam dele, pois há rumores que ele seria filho de Voldemot.

Falando na Rose, a partir do momento que Alvo passa a ser amigo de Scorpius e entra na Sonserina, ela simplesmente para de falar com o primo. Eu não gostei da personagem, pois achei ela metida e arrogante, na verdade, me lembrou bastante o próprio Draco quando criança, pois ela fica falando o sobrenome dos pais com ar de superioridade.

Do nosso trio preferido, Harry e Hermione trabalham no Ministério da Magia, sendo a Hermione Ministra da Magia, e uma viciada em trabalho, enquanto Rony é o tio engraçadão, tem uma loja de jogos e gosta de cuidar da casa e dos filhos, ele não aparece muito na história, assim como Gina. Draco fica viúvo logo no início, e eu achei que ele amadureceu muito e se tornou um homem muito bom e amoroso com o filho.

O decorrer da história é todo feito em base de viagens no tempo com vira-tempo, onde Alvo e Scorpius tentam salvar a vida de Cedrico, morto no torneio Tribruxo por Rabixo. Porém, eles fazem isso achando que estão ajudando o pai de Cedrico, mas na verdade estão ajudando Delphi, que os engana falando ser prima de Cedrico, quando na realidade é filha de Voldemort e Bellatrix e a “Criança Maldita” do nome da peça. Quando descobri isso tudo fez mais sentido, já que eu achava que o título falava sobre Alvo.

Os meninos fizeram várias viagens no tempo e cada vez que retornavam encontravam um mundo diferente, sendo que em um deles, Severo Snape estava vivo e o Lord das Trevas mandava no mundo, nesse tempo Harry estava morto e Alvo não existia. Nesse mundo é que vemos como Scorpius é diferente do pai e uma ótima pessoa. Enfim, entre idas e vindas no tempo eles eventualmente descobrem sobre Delphi e os adultos os ajudam a controlar a situação.

———————————————————Fim dos Spoilers———————————————————–

 

Resenha: Conectada

Algum tempo atrás eu fui selecionada para ter a oportunidade de ser uma das primeiras leitoras do livro CONECTADA: Por trás da vida de uma blogueira, escrito pela querida Carol Ruedas, que é de Jaguariuna, interior de São Paulo, e assim poder trazer em primeira mão aqui no Corujando a resenha para vocês!

conectada (1)

Sinopse

Catarina tem vinte e três anos e um blog em ascensão. Com isso, vive sua vida perfeita através das redes sociais. Viaja frequentemente para São Paulo em eventos, passa o dia abrindo recebidos e gravando com youtubers famosos. Mas sua vida real por trás dessa imagem é uma verdadeira bagunça. Com um crush lixo e um crush tudo a sua volta, sempre faz as piores escolhas e precisa da ajuda de seus amigos excêntricos. Como toda garota, passou por diversos problemas de autoestima durante a adolescência e sente isso refletir nela até hoje. Com a necessidade de morar em São Paulo se vê muito sozinha até que decide comprar uma penteadeira em um antiquário. Essa penteadeira trazia uma folha de um diário velho com uma história de amor muito mal resolvida. Com sua teimosia característica, Nina resolve descobrir quem são os personagens dessa história e mais uma vez se esquece de viver sua própria vida.


Primeiro tenho que dizer, que o livro me surpreendeu, pois eu achava que a história ia seguir por um caminho totalmente diferente, que outras coisas seriam nos apresentadas, mas o que realmente acontece é que acompanhamos a história da Catarina, mas não só isso, nós a conhecemos e conseguimos entender os motivos que a fizeram ficar como é atualmente, e mais que isso, gostar e torcer pela personagem.

Primeiro somos apresentadas a uma Catarina problemática, que dá vexame em festas e não sabe se comportar como uma adulta e figura pública que é, mas essa personagem criada pela própria Catarina serve como máscara para seus problemas na vida real, um relacionamento abusivo que a fez desistir de muitas coisas, inclusive de seu amor próprio.

Com o passar das páginas vamos conhecendo outros personagens que fazem parte da vida da Nina, e não apenas da dela, já que também acompanhamos a vida de Theo, um antigo amigo e namoradinho de Catarina, que é um ator que vem se destacando muito e ganhando reconhecimento, e que consegue ao mesmo tempo ser fofo e meio perdido quando se trata de relacionamentos.

Conhecemos Giza, melhor amiga de Catarina, Hugo, seu amigo e empresário, a família da Nina, cuja minha preferida é sua sobrinha Manoela, e também o ex Tomás. No núcleo do Theo, temos Miranda, sua melhor amiga, Gabriela, sua namorada e Pablo, também seu amigo.Todos esses personagens fazem parte da história e tem contribuições importantes no seu desenvolvimento, o que é muito legal e a Carol conseguiu fazer uma conexão interessante entre eles.

Sobre a penteadeira citada na sinopse, eu vou deixar para vocês descobrirem ao lerem o livro! É a minha parte favorita do livro. Uma das coisas que eu achei mais legais na formatação do livro é que quando eles conversam por whatsapp, tem a imagem com as mensagens trocadas, achei uma ótima ideia!

Para vocês lerem, o Conectada está a venda na Amazon para a leitura pelo Kindle por apenas 10 reais! E além disso tem uma prévia gratuita de algumas páginas, então clica aqui e vai lá conferir! Além disso, a história também tem um insta super bacana, onde sempre são postadas informações sobre a história e os personagens, segue lá!

E aí pessoal, quem se interessou pelo livro? Eu é um livro voltado ao público que acompanha blogueiras e youtubers, obviamente, mas quem não acompanha pode gostar também, afinal todos temos algum ídolo, seja youtuber, atriz ou cantora, além disso, também acho que é um livro para o público juvenil, talvez o pessoal mais velho não se identifique muito, mas se você gosta de histórias de romance, amizade, encontros e desencontros, vale a leitura! E mais legal é que vem continuação por aí!

bjs